Boa noite

" Há uma estrada de pedra que passa na fazenda.
É teu destino, é tua senda.
Onde nascem com as canções.
As tempestades do tempo que marcam tua história.
Fogo que queima na memória e acende os corações "

Paula Fernandes


Boa noite!




"Como é por dentro outra pessoa
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo

Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa
;

As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição de qualquer semelhança
No fundo"

Fernando Pessoa

Para assistir

Filme Dogville



Título original: (Dogville)
Lançamento: 2003 (França)
Direção: Lars Von Trier
Atores: Nicole Kidman, Harriet Andersson, Lauren Bacall, Jean-Marc Barr.
Gênero: Drama
O filme chama a atenção pela simplicidade de seus cenários e cortes de cenas não convencionais. Todo o filme foi filmado dentro de um galpão localizado na Suécia com o mínimo de artefatos, há poucas mesas e algumas paredes, mas normalmente há apenas marcações no chão indicando que ali é a casa de tal pessoa, ou há um arbusto. Apesar dos personagens fazerem constantes referências a paisagem, ou ao céu, o fundo é infinito, tendo constantes alterações de luz e cor que indicam mudanças de dia/noite, clima e de momentos importantes do filme.
O filme é dividido em 10 partes - cada uma com créditos e uma introdução narrada -, sendo 1 prólogo e 9 capítulos. A trama acontece em um único local, uma cidade pequena dos Estados Unidos chamada "Dogville", situada no fim de uma estrada que vai até as Montanhas Rochosas.
 




O narrador vai então apresentando os personagens um por um ("todos têm pequenos defeitos facilmente perdoáveis") e contando suas histórias.
Grace, uma bela jovem com um vestido que denota sua origem de família rica. Ela diz a Tom que está fugindo de um gângster e Tom, percebendo nela o exemplo perfeito para sua palestra, lhe dá cobertura.
Os moradores de Dogville a princípio recusam-se a aceitá-la, e Tom propõe que dêem a Grace um prazo de duas semanas, para então decidirem sua sorte. Grace, em compensação, deve ajudá-los em tarefas cotidianas.


Ao passar do tempo... os moradores de Dogville consideram ainda maior a dívida de Grace com eles, fazendo cada vez mais exigências, que diante da permissividade e comportamento passivo de Grace, rapidamente transformam-se em abusos. Uma cena forte do filme é quando Chuck a estupra, como "pagamento" para que ele não a denunciasse às autoridades. Aqui a função do cenário vazio é clara: a ausência de paredes dá a nítida percepção de que todos sabem o que se passa, mas fingem não ver. A comunicação também não parece ser possível para os moradores de Dogville. O que eles falam passa longe de significar o que realmente querem dizer. Quando questionados são evasivos, mudam de assunto ou simplesmente respondem outra coisa.

Desse ponto em diante a constante dívida de Grace com a comunidade só cresce e ela torna-se uma escrava não só de trabalho físico como sexual.
Desde sempre, quase toda obra de arte é, em última instância, um retrato do ser humano.
Dogville poderia ser uma cidade em qualquer lugar, em qualquer época.



-------------------
Aspectos interessantes no filme:
  • clima comunitário de “aceitação/conformismo”
  • moralidade civilizadora “re educação”
  • valorização do utilitarismo
  • exploração como simples osso na boca do cão!
Não é um filme comum, é bem diferente de qualquer outro já visto, creio que cada contemporâneo deveria assisti lo e tirar suas próprias conclusões.


Boa Noite




||Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!




Fernando Pessoa
 

Dica de Leitura

 

Livro: Comunidade lugar do Perdão e da Festa

Editora: Paulinas/2006

O livro indicado relata através da experiência baseada na vida, uma abertura e amplitude com sentido e valorização da vida comunitária, essa segundo o autor não se restringi apenas em uma casa e um amontoado de pessoas, mas no sentido mais amplo da palavra significa experiência de individuação e transcendência. Particularmente é um dos livros que mais gosto devido a riqueza da experiência do autor, com uma capacidade incrível de acreditar em um ser humano mais pleno e menos conflituoso. Escrito por um grande filosofo e acima de tudo um grande ser humano, vai a dica vale a pena!



Jean Vanier nasceu em 1928; deixou a Marinha canadense em 1950 para estudar Filosofia e viver em uma comunidade cristã, perto de Paris. Depois de obter o doutorado, lecionou na Universidade de Toronto (Canadá). Em 1964, começou a comunidade Arca, acolhendo dois adultos deficientes mentais em uma pequena casa de Trosly-Breunil (Oise, França). Tal comunidade cresceu e, a partir dela, outras foram fundadas em vários países. Durante estes anos, Jean Vanier tem animado encontros sobre a vida comunitária.


Tempo

Desejo te Tempo!
Corro em sua frente
tropeço sem perceber te
Tempo!
Escapa me
Mas desejo te
Longe pela fuga
Mas perto pela ânsia
quero te tempo
Para amar

A
M
A
R

Para desejar
Para viver o novo
Para alegrias fúteis e duradouras
Quero te para contemplar
A beleza da amizade
Para vencer os obstáculos
Para transpor as barreiras
Quero te comigo
E não atrás de mim
quero mesmo que seja em um
novo compasso
em um novo ritmo


Na essencia, e na verdade


P
E
R
Cego muitas vezes
E
B
O

Percebo que és próprio
Mas foi criado para mim
Nessa jornada estamos nós
E não os relógios
Somos amigos apesar de desencontrarmos
Algumas vezes
Quero te ainda
Para aventurar me
Para curtir o momento que se chama Agora
Para dar sentido a vida
Para me despertar das ilusões
E me sentar na realidade

R
E
A
L
I
DADE

Sou contigo
és comigo
não mais no “tic tac”
mas na essência
da nossa verdade
Estamos juntos mesmo parecendo
estarmos

D
I
S
T
A
N
TESSSsssss....               ...

Rogério Costa


Reverência ao destino





Carlos Drummond de Andrade


Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.

Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.

E com confiança no que diz.


Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.

Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.


Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.

Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.

E é assim que perdemos pessoas especiais.


Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.

Difícil é mentir para o nosso coração.


Fácil é ver o que queremos enxergar.

Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.

Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.


Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"

Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...


Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.

Difícil é sentir a energia que é transmitida.

Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.


Fácil é querer ser amado.

Difícil é amar completamente só.

Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.


Fácil é ouvir a música que toca.

Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.


Fácil é ditar regras.

Difícil é seguí-las.

Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.


Fácil é perguntar o que deseja saber.

Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.


Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.

Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.


Fácil é dar um beijo.

Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.



Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.



 

Boa noite!

Sensações - Paula Fernandes

" Agora sou a prova viva
de que nada nessa vida
é para sempre,
até que me prove o contrário"